segunda-feira

Chuva de Caju



Como te chamas, pequena chuva inconstante e breve?

Como te chamas, dize, chuva simples e leve?
Tereza? Maria?
Entra, invade a casa, molha o chão,
Molha a mesa e os livros.
Sei de onde vens, sei por onde andaste.
Vens dos subúrbios distantes, dos sítios aromáticos
Onde as mangueiras florescem, onde há cajus e mangabas,
Onde os coqueiros se aprumam nos baldes dos viveiros.
E em noites de lua cheia passam rondando os maruins:
Lama viva, espírito do ar noturno do mangue.
Invade a casa, molha o chão,
Muito me agrada a tua companhia,
Porque eu te quero muito bem, doce chuva,
Quer te chames Tereza ou Maria.

poema "Chuva de Caju" de Joaquim Cardozo, 1936



Nota biográfica: Joaquim Cardozo nasceu em Recife no dia 26 de agosto de 1897.Estudou no Ginásio Pernambucano, formou-se em Engenharia enfrentando grande dificuldade financeira, que o obrigou a interromper o curso duas vezes. Joaquim foi um homem recatado e tímido, um intelectual de rara sensibilidade e vasta cultura (ele lia os poetas chineses no original). Na verdade foi um poeta em tudo o que realizou além da própria poesia. Engenheiro calculista, em parceria com Oscar Niemeyer, compôs autênticos poemas de concreto, na Pampulha em Belo Horizonte e em Brasília, de que são exemplos notáveis a igrejinha da Pampulha, a Catedral de Brasília e o Palácio do Planalto. Além de calculista, Joaquim foi chargista, teatrólogo, desenhista e até pianista. Como poeta cantou sempre as coisas do Nordeste e do Recife. O seu livro mais conhecido é Signo Estrelado e para o teatro, a peça O Coronel de Macambira. Joaquim voltou ao recife definitivamente muito debilitado e faleceu em novembro de 1978.

5 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Texto delicioso. Me deu uma vontade de comer caju rs

Helena de Tróia disse...

Maria
Hoje , sábado, é dia de Arte Incomum lá no Miolo de Pote. Agradeço a visita.

http://blog-miolo-de-pote.blogspot.com/

+ Kazzx + disse...

Cara Maria,

Vindo, lendo e aprendendo...

Bjs e bom domingo

Fabiana disse...

LULA APOSENTOU-SE AOS 42 ANOS ESTA É DE LASCAR...

Documento do INSS obtido pela coluna mostra que o presidente Lula não pode reclamar da vida: a aposentadoria especial para anistiado político, concedida em 1996 e requerida um ano antes, retroagiu a 5/10/1988, um dia antes de ele completar 43 anos. O companheiro presidente tinha 22 anos de serviço, na ocasião. O benefício, que em 2005 totaliza R$ 8.862,57, está devidamente isento do pagamento de imposto de renda.

http://fabianamelovieira.blogspot.com/

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Mara (MA_ria olivei_RA):

Aguardo sua visita no Estados Gerais.
O último post que coloquei vai concerteza, e irresistivelmente, merecer o seu comentário e dos amigos brasileiros que o visitem.

Um Beijo,