sexta-feira

A DERRADEIRA CEIA


"A Derradeira Ceia"
Peça de Luiz Marinho retrata o regionalismo através do cangaço

Um enredo que conta um pouco da história do Sertão nordestino, através da trajetória do cangaço de Virgulino Ferreira, o destemido Lampião. "A Derradeira Ceia", de Luiz Marinho, foi escrita na década de sessenta e agora será encenada no Recife no Teatro Barreto Jr, no mês de agosto (ver cartaz). A direção ficou a cargo de Normando Roberto Santos, que também encena a peça, interpretando o papel de Manoel Roque, sertanejo contrário ao bando de Lampião, mas fiel a suas origens e povo. Saturnino e Nazinha são personagens centrais que protegem o bando do Capitão Virgulino, e são popularmente chamados de coiteiros. O conflito está formado, os dois compadres, um a favor do cangaço, e o outro contra, e cada um com motivos sempre fortes para entregar o outro. A produção da peça é da NRS e Haja Teatro.

Elenco: Amaro Vieira, André Ramos, Josy Ventura, Lamir Verçoza, Marco Caetano, Maria Oliveira, Mário Miranda, Nicole Vergueiro, Normando Roberto Santos, Paulo Nascimento e Regina Morais.

*Sobre o autor

Luiz Marinho Falcão Filho nasceu em 8 de maio de 1926, em Timbaúba, cidade da Mata Norte de Pernambuco, e faleceu no Recife, em 3 de fevereiro de 2002. Assim como tantos de sua geração, que nasceram sob a influência da literatura regionalista de 30 (Graciliano Ramos, José Lins do Rego, Jorge Amado, Érico Veríssimo...), Marinho também traduziu em sua obra (iniciada em 1960) o universo social e cultural da sua região, matéria-prima permanente do seu texto dramatúrgico. No entanto, toda essa matéria-prima foi trabalhada pelo amálgama da memória. E essas memórias em forma de teatro lhe deram, entre outros prêmios: o Molière, o da Academia Brasileira de Letras, o da Academia Pernambucana de Letras e o Estaduais de Teatro (do então Estado da Guanabara). Deram-lhe mais: o permanente reconhecimento de todos aqueles que um dia sentaram, enquanto platéia, num teatro - do Recife ou de outra cidade qualquer do Brasil - para assistir, aplaudir, rir, chorar e se emocionar com alguns dos seus textos.

(Anco Márcio Tenório Vieira* - Autor da obra "Luiz Marinho - Um sábado que não entardece" de 2004.)

Um comentário:

Silvio Vasconcellos disse...

Oi, Maria!

Parabéns pela peça! é lindo ver uma pessoa dedicada à arte popular!
Obrigado pela visita carinhosa.
O blog que visitaste está desativado.

Seria uma honra recebê-la no MINIMÍNIMOS, onde sou um dos integrantes (às segundas-feiras):
http://miniminimos.blogspot.com

Beijo